Estado

“A partir da próxima semana, não teremos mais radares móveis”

Presidente Bolsonaro diz que fiscalização nas rodovias é uma “Indústria da multa” e definiu prática como uma “roubalheira” para enriquecer poucos

Por

“A partir da próxima semana, não teremos mais radares móveis”

A passagem do presidente Jair Bolsonaro foi marcada por ataque às ideologias de esquerda, anúncios de investimentos em infraestrutura e o compromisso do governo federal em “acabar” com a fiscalização por radares fixos e móveis nas rodovias federais.
Entre aplausos e gritos de “mito”, Bolsonaro inaugurou um trecho de 44 quilômetros de duplicação na BR-116. No discurso, agradeceu o apoio dos gaúchos na eleição do ano passado, criticou o candidato a presidência da Argentina, Alberto Fernández.
“Não se esqueçam que mais ao sul da Argentina, o que aconteceu nas eleições de ontem. A turma da Cristina Kirchner, que é a mesma da Dilma Rousseff, que é a mesma de Maduro e Chávez e de Fidel Castro, deram sinal de vida aqui. Povo gaúcho, se essa ‘esquerdalha’ voltar aqui na Argentina, nós poderemos ter sim no Rio Grande do Sul um novo Estado de Roraima. E não queremos isso: irmãos argentinos fugindo para cá, tendo em vista, o que de ruim parece que deve se concretizar por lá, caso essas eleições realizadas ontem se confirmem agora no mês de outubro”, disse o presidente durante o discurso de inauguração.
Bolsonaro também afirmou que vai suspender o uso de radares móveis nas estradas federais. Disse que a medida será implementada logo. “Essa máfia de multa que vai para o bolso de alguns poucos aqui dessa Nação. É uma roubalheira, essa é a verdadeira indústria da multa que existe no Brasil. Anuncio para vocês que, a partir da semana que vem, não teremos mais radares móveis no Brasil.”

Segundo presidente, radares deixarão de operar no Brasil

Segundo presidente, radares deixarão de operar no Brasil


No RS há 22 radares móveis nas rodovias federais. Os aparelhos ficam em locais apontados com alto índice de acidentes.

Hidrovias e Porto de Estrela

Na coletiva de imprensa após a inauguração, o ministro de Infraestrutura, Tarciso de Freitas, afirmou que o governo federal pretende investir na dragagem da Lagoa dos Patos e do Rio Taquari. Para tanto, afirmou que há tratativas com a bancada gaúcha para usar recursos das emendas parlamentares.
O senador Luis Carlos Heinze (PP) acompanhou a comitiva presidencial. Ele afirmou que há um processo de concessão em andamento para o Porto de Estrela.
O prefeito de Estrela, Carlos Rafael Mallmann relata que ainda não há nada oficial. O município ingressou com uma proposta para municipalização do complexo portuário. “O convênio está em análise. Não houve avanço nos últimos meses”, relata.
A ideia do governo municipal é abrir um contrato de concessão à iniciativa privada assim que tiver a autonomia sobre o porto.
 

FILIPE FALEIRO – filipe@jornalahora.inf.br

bravo