Lajeado

Vereadores pedem mais tempo para projeto de isenção de IPTU preservação segue em análise

Proposta teve segundo pedido de vistas, três meses após primeira tentativa de votação. Requerimento causou mal-estar na sessão de ontem

Por

Vereadores pedem mais tempo  para projeto de isenção de IPTU preservação segue em análise

Dos três projetos de lei previstos para serem votados na sessão de ontem da câmara de vereadores, apenas um acabou levado para aprovação do plenário. Pedidos de vistas adiaram a votação dos demais, após solicitações de Adi Cerutti (PSD) e Waldir Blau (MDB).
Uma delas é a matéria que prevê isenção total no pagamento do IPTU aos proprietários de imóveis localizados na zona urbana do município, e declarados como Área de Preservação Permanente (APP), Área de Preservação Florestal (APF) e Área de Compensação Florestal (ACF).
De autoria de Ildo Salvi (Rede) e Paulo Tori (PPL), o texto está no legislativo desde abril e já teve um pedido de vistas há três meses, na sessão do dia 21 de maio. A permuta de áreas para a ampliação do Centro Municipal de Eventos também teve sua votação adiada.

Cirurgias eletivas

A lista de espera para consultas e exames voltou a repercutir na sessão da câmara. Isso porque Waldir Blau cobrou novamente a destinação de recursos do Legislativo para custear as cirurgias eletivas.
“Sugerimos isso para a mesa diretora. Precisamos conversar com o prefeito antes de repassar o valor, pois ele tem que se comprometer. Sabemos que tem dinheiro no caixa, mas vamos fazer a nossa parte”, pontua Blau.
O tema causou mal-estar entre alguns vereadores com Ildo Salvi (Rede), que apresentou, em nome dos demais colegas, um requerimento solicitando à presidência a destinação imediata de R$ 1 milhão de recursos do legislativo para o prefeito aplicar na saúde. A presidente Neca Dalmoro (PDT) disse ter se sentido “traída” com o pedido.
”Fiquei bastante chateada, pois na última sessão foi levantada essa discussão. Disse que isso cabe a mim, pois sou a gestora responsável desse dinheiro. Antes de repassar, temos que fazer um levantamento do que ainda vamos gastar esse ano e dos gastos já previstos. Se não tiver algo de acordo, quem vai ter que pagar do próprio bolso serei eu”, afirmou.
O requerimento foi arquivado, com apenas Salvi votando contra. “Simplesmente se ofenderam porque não foram eles que colocaram no papel. Esse valor não é da mesa diretora, e sim da câmara. Eu quero simplesmente que seja utilizado um valor que está estagnado, não quero ser o pai da criança”, comenta.

CPI se reúne quinta-feira

Iniciam amanhã, às 10h, os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar a adulteração de autos de infração de trânsito, que teria sido cometida pelo servidor e ex-coordenador municipal de Trânsito, Carlos Kayser.
Por ser o vereador mais antigo da comissão, Waldir Blau (MDB) presidirá a reunião. Ele, entretanto, deve ficar com a relatoria da CPI, enquanto Paulo Tori (PPL) será o presidente. Mozart Lopes (PP) é o único governista da CPI. Os trabalhos devem durar 120 dias.

Tribuna livre

Na tribuna livre, o coordenador do Movimento Direita dos Vales (MDV), Felipe Milani, opinou sobre o projeto que dispõe sobre o exercício das garantias constitucionais no ambiente escolar da rede municipal, de autoria de Sérgio Kniphoff (PT)
Ele diz ser contra o artigo quarto, que proíbe gravações durante as aulas sem consentimento de quem é gravado, por entender que a medida fere a legislação federal. “Ninguém está indo contra os professores, pois sabemos que é a autoridade máxima na sala de aula. Apenas queremos defender os alunos”, justificou.
 

MATEUS SOUZA – mateus@jornalahora.inf.br

bravo