Negócios em Pauta

“Muitos namoros que começaram no posto terminaram em casamento”

Elton Faleiro administra o Posto Faleiro junto com os irmãos Flávio, Astor e Arilene

Por

“Muitos namoros que começaram no posto terminaram em casamento”

Localizado no entrocamento entre as principais vias do centro da cidade, entre a rua Júlio de Castilhos e as avenidas Benjamin Constant e Alberto Pasqualini, o Posto Faleiro é um dos locais mais emblemáticos de Lajeado.
Fundado em 1997 por Manoel Renato Faleiro, o posto se tornou o principal ponto de encontro noturno da cidade no início dos anos 2000. Ainda hoje é palco das comemorações de títulos da dupla Gre-Nal. Foi o primeiro posto da região a integrar uma loja de conveniências atendimento 24 horas, mantido por 15 anos.

– Como surge a ideia de investir no ramo dos postos de combustíveis?

Elton Faleiro – Já existia na nossa família uma vontade muito grande de trabalhar com essa atividade. A história do Posto Faleiro começou um pouco antes do empreendimento do Centro de Lajeado, que abrimos faz 22 anos. Começamos a trabalhar com posto de gasolina em 1993, pois era vontade do meu pai. Anteriormente ele recebeu algumas propostas de outros negócios no ramo de combustíveis, mas que não deram certo. Em 1993 tivemos a oportunidade de iniciar no segmento, com um posto às margens da BR-386. Nós fomos evoluindo devagarinho e em 1997 adquirimos o terreno onde estamos hoje, no Centro. Era um ponto que estava parado e transformamos em centro de encontros e serviços.

– Qual era a proposta inicial do empreendimento?

Faleiro – Naquela época, Lajeado não tinha opções de postos que trabalhassem nos fins de semana, feriados ou fora do horário habitual. Os que existiam trabalhavam até às 20h, não abriam nos domingos e feriados. Surgimos com o conceito de 24 horas com loja de conveniência, que não existiam na região. Trouxemos uma lavagem de veículos com máquinas automáticas e troca de óleo diferenciada. Foi inovador e impactou bastante. Tivemos um resultado muito interessante, mas foi um investimento ousado. Como nós, os filhos, eramos jovens na época, tínhamos muito potencial para trabalhar. A Esso percebeu esse nosso potencial e nos ajudou a proporcionar esse negócio. Encaramos como um desafio e fomos para dentro do negócio. Trabalhamos 24 horas por dia durante 15 anos.

– Quais foram os principais desafios do início dos trabalhos?

Faleiro – Não tínhamos experiência, em especial em relação à conveniência. Trabalhar em fins de semana e feriados já é diferente, então imagina trabalhar todos os dias 24 horas. Foi uma coisa nova, tivemos que montar equipe e organizar a madrugada. Na época não se imaginava trabalhar em qualquer lugar depois das 22h. Trouxemos uma estrutura com mix de produtos adequados, segurança, qualificamos funcionários e isso tudo foi desafiador. No começo virávamos a noite, até que tudo estivesse bem organizado. Quando um turno estava terminando e outro chegando, o movimento continuava. Não tinha como parar para fechar o caixa, pois o movimento era 24 horas mesmo.

– Como a estruturação do negócio para funcionar sem fechar?

Faleiro – Nossa maior preocupação sempre foi em ter um atendimento qualificado com produtos a disposição em qualquer hora do dia. Apostamos muito na qualificação dos nossos funcionários para mantermos o padrão. Quem chegava à meia noite deveria ser atendido da mesma forma que quem chegava às 5h ou às 17h. Para isso, foi necessário muito treinamento. Nós, da família, fizemos de tudo no posto, desde o atendimento no caixa até o abastecimento dos veículos. Era muito trabalho, mas que nos deu um conhecimento e uma bagagem muito boa. Hoje, quando olhamos para um negócio, conseguimos avaliar se dá lucro, se a equipe está treinada, se tem uma boa imagem. Isso facilita muito na hora de contratar as pessoas certas.

WhatsApp Image 2019-10-11 at 3.30.39 PM(1)– O posto se tornou um dos principais pontos de encontros da cidade…

Faleiro – Qualquer pessoa que convivia na noite daquela época tem muitas histórias para contar sobre o Posto Faleiro. Muitos namoros que começaram no posto terminaram em casamento. Outros tantos relacionamentos terminaram por aqui. São muitas histórias de amizade e de convívio. Acabou sendo um ponto muito marcante para a noite do Vale. Era aqui que as coisas aconteciam. As pessoas se encontravam, depois iam para outros lugares e voltavam para cá na madrugada. Foi uma fase muito boa.

– Porque o atendimento 24 horas foi descontinuado?

Faleiro – Mudamos por questões de custo, porque manter uma estrutura 24 horas é muito caro, e também por causa da segurança. A cidade cresceu muito nesses 15 anos e nos adaptamos a essas mudanças. Começamos a abrir até à 1h, de domingo à quinta-feira. Sexta e sábado até às 3h. Cortamos um pouco a madrugada, mas ainda atendemos em horário estendido. Também tivemos que agregar mais serviços e fazer parcerias para que conseguíssemos nos manter no mercado. Houve uma mudança muito grande na economia. Trabalhávamos com margens maiores, hoje elas estão reduzidas, com em todos os negócios. Tivemos que inovar, trazer um novo conceito de loja de conveniência, agregar produtos e serviços, e ajustar custos.

– A relação familiar ajuda nas decisões da empresa?

Faleiro – É preciso sempre manter o relacionamento, pois somos família. Existem discussões quanto às tarefas, desafios e ideias, mas sempre temos em mente que, acima de tudo, somos irmãos e isso nunca vai acabar. Fomos criados com essa cultura. Quando você fala algo para o seu irmão, ele pode ficar estressado na hora, mas depois fica tudo certo. Não guardamos mágoa. O segredo está na compreensão. Se um dia ocorre uma discussão mais ferrenha no outro dia tudo passa.

WhatsApp Image 2019-10-11 at 3.30.39 PM(1)– Como a administração do negócio evoluiu?

Antigamente era só o posto, com grande área ociosa no terreno. Depois, otimizamos toda a área com a construção de um centro comercial com dez lojas. Foi uma necessidade para nos adaptarmos às mudanças do mercado. Agregamos o centro comercial ao negócio usando o terreno da melhor forma. Nunca tivemos medo de mudar. Também investimos em energia solar. Sempre enfrentamos as dificuldades e nos adaptamos às novas realidades. Hoje, é preciso sempre estar aberto às mudanças da sociedade e do mercado.

– Qual o futuro do Posto Faleiro?

Faleiro – Cada vez mais buscamos nos aliar as novas tecnologias para agregar no nosso negócio. Hoje temos o Shell Box, um aplicativo onde as pessoas podem pagar o seu abastecimento e ganhar descontos. É algo que também gera fidelidade. Queremos sempre estar aliados a tecnologia para nos mantermos no mercado e interagirmos cada vez mais com nossos clientes. Também pensamos em expandir. Nosso planejamento inclui um novo posto,

– Um posto de gasolina é sempre rentável? O que precisa para ser um bom negócio?

Faleiro – Não sempre. A primeira coisa é a localização, para ter fluxo de pessoas. Precisa ser fácil para chegar e para sair. Também ter uma estrutura mínima de serviços, porque só com o abastecimento não tem como sobreviver. É precisa uma boa área de estacionamento e estrutura de conveniência. Em qualquer negócio, é preciso estudar muito o mercado. É preciso apostar em dados, fundamentar o investimento em informações, para entender o negócio e prever o que pode acontecer. Depois disso, é muito trabalho e dedicação.

bravo