Política

A Hora lança projeto especial para o ano eleitoral

Projeto "Política Cidadã" se propõe a colocar a sociedade como protagonista no debate sobre os rumos dos municípios

Por

A Hora lança projeto especial para o ano eleitoral
Vale do Taquari

O ano começa com o diferencial de ser mais um período eleitoral. A escolha dos prefeitos e vereadores é o momento mais importante na democracia das cidades. Em meio a crise de credibilidade dos políticos, é importante reforçar a cidadania, o livre pensar e a transparência nas repartições públicas.

Como forma de contribuir com este cenário, o Grupo A Hora inicia a partir de hoje o projeto “Política Cidadã”. A equipe encara as eleições como uma oportunidade para a população refletir sobre os desafios das cidades, para conversar sobre os projetos de governo, conhecer as diferentes linhas de pensamento dos candidatos.

Comparar as biografias, os compromissos e limitações, para que o eleitor possa construir e, com o máximo de informações exercer, de fato, o voto consciente. “O motivo é simples. Precisamos criar uma consciência coletiva sobre o papel do agente público e também do cidadão. Do contrário, vamos ter dificuldade em evoluir”, diz o diretor executivo do Grupo A Hora, Adair Weiss.

O veículo pretende despertar a população e sensibilizar os agentes políticos para as responsabilidades e compromissos de ambos, argumenta. “Não podemos resolver o problema do Brasil, mas podemos melhorar a nossa cidade, o nosso bairro e a nossa rua.”

Para Weiss, a imprensa tem de trazer luz à população e como consequência contribuir para escolhas racionais e assertivas. O objetivo, diz, é tornar o Política Cidadã um meio de fortalecer a democracia e a cidadania em um ano eleitoral.

A política existe à sociedade e não para os políticos”

Trazer a sociedade para o centro das discussões. Essa é uma das missões do projeto do A Hora. Para fazer isso, estão previstas diversas iniciativas ao longo do ano. Serão debates, pesquisas de opinião pública, seja sobre a conjuntura eleitoral e também sobre as necessidades dos cidadãos em termos de obras, investimentos e programas.

De acordo com Weiss, a proposta é trazer diversas instituições para pensar as cidades. Seja o Judiciário, o Ministério Público, Executivos, Legislativos, entidades representantivas da comunidade. “A política existe à sociedade e não para os políticos”, conceitua.

Saiba mais sobre o projeto

A política é base no processo democrático. Pode contribuir ou trancar o desenvolvimento econômico e a redução das desigualdades sociais. Nos últimos anos, a prática da “política” tem se desviado da função e, por consequência, o tema acaba causando rejeição popular.
Para resgatar e estabelecer uma compreensão mais republicana e cidadã em torno do assunto, o Grupo A Hora
lança o Política Cidadã. O movimento consiste em um calendário de ações, debates e reportagens sobre a política em contexto mais amplo.

A escolha nacional

A eleição dos prefeitos e vereadores ocorrerá em 5.568 municípios do país. Será no dia 4 de outubro e, em caso de segundo turno, a votação será realizada no dia 25 de outubro. Pela lei federal, nenhum município do Vale do Taquari tem coeficente eleitoral para uma disputa em segundo turno.

Até chegar no dia da votaçaõ, partidos, candidatos e eleitores devem ficar atentos a muitas outras datas. Começa em janeiro. A partir desse mês, todas as pesquisas de opinião pública que envolverem candidatos precisam ser registradas na Justiça Eleitoral cinco dias antes de sua publicação.

Outra informação relevante é quanto a janela pardidária. Do dia 5 de março até 3 de abril, vereadores poderão mudar de partido para concorrerem nas eleições majoritárias ou proporcional (confira o calendário no quadro)

A partir do dia 15 de maio, pré-candidatos poderão dar início à arrecadação de recursos por meio do financiamento coletivo. Importante destacar que o uso desses recursos nas respectivas campanhas só será liberado após o efetivo registro da candidatura, a obtenção de CNPJ e a abertura de conta bancária por parte do candidato, para prestar contas do uso dos valores.

As convenções partidárias para a escolha dos candidatos podem ser realizadas de 20 de julho a 5 de agosto. Já o prazo para requerer o registro de candidatura à Justiça Eleitoral se encerra no dia 15 de agosto.

Por sua vez, a propaganda eleitoral será permitida a partir do dia seguinte, 16 de agosto, inclusive na internet. E o horário eleitoral gratuito será veiculado no rádio e na televisão de 28 de agosto a 1º de outubro.

Conduta dos profissionais do Grupo A Hora às eleições

Os princípios reafirmam o compromisso do Grupo A HORA com a equidistância de partidos e candidatos. São também uma garantia de transparência da redação e dos demais setores da empresa.

Linhas gerais:

  • Nenhum profissional do Grupo A Hora pode oferecer qualquer tipo de serviço ou assessoria para partido ou candidato;

  • Os profissionais, de todos os setores, deverão se manter isentos e não expressar suas preferências eleitorais, seja física ou virtualmente. Igualmente, é proibida a participação dos profissionais do A Hora em ‘bandeiraços’, comícios ou carreatas que traduzam campanha explícita a algum candidato ou coligação. A exceção se dá na cobertura jornalística;

  • Profissionais que prestam algum tipo de assessoria a órgão público devem se desligar da empresa três meses antes do pleito;

  • Profissionais que concorrerão a algum cargo nas eleições devem se desligar da função e da empresa três meses antes do pleito;

  • O Grupo A Hora não divulga resultados de pesquisas eleitorais contratadas por partidos ou candidatos. Nem mesmo, nos espaços publicitários chamados de “A Pedido”;

  • O Grupo A Hora não faz pesquisas eleitorais. Para atender ao interesse de seu público, A Hora contrata, com exclusividade, pesquisas do Instituto Methodos, reconhecido e com comprovado trabalho sistemático em eleições;

  • O Grupo A Hora não cede ou comercializa material de arquivo para campanhas eleitorais e desautoriza que material produzido e divulgado por seus canais seja usado na propaganda eleitoral. O eventual uso desse material por partidos ou coligações será por conta e risco dos responsáveis pela propaganda;

  • Nenhuma plataforma do A Hora (Jornais impressos, Estúdio A Hora, Portal e Editora) prestará serviço a candidatos ou partidos na produção de material publicitário à campanha eleitoral;

  • O A Hora trata partidos e candidatos de maneira equilibrada e independente;

  • As despesas das coberturas eleitorais são pagas exclusivamente pelo A Hora. Nenhum profissional da empresa pode aceitar qualquer cortesia de candidato, partido ou coligação;

  • Anúncios com conotação eleitoral (A Pedidos) devem respeitar a legislação eleitoral e as normas de conduta estabelecidas pelo Grupo A Hora;

  • Jornalistas, colunistas ou produtores de conteúdo do A Hora devem considerar grupos de mensagens e mídias sociais como comunicação pública, na qual prevalece o regramento ético esperado na sua atuação profissional regular;

bravo