Lajeado

Cinco cemitérios são alvos de furto no fim de semana

Criminosos levaram crucifixos, letreiros e fotografias de túmulos de pelo cinco cemitérios da região. Suspeita de cuidadores é que motivação do crimes seja de tráfico de drogas

Por

Cinco cemitérios são alvos de furto no fim de semana

Cuidadores de pelo menos cinco cemitérios da região perceberam na segunda-feira, dia 6, que haviam sido alvos de bandidos no fim de semana. Os criminosos levaram crucifixos, letreiros e fotografias.

O delegado da Polícia Civil de Lajeado, Márcio Moreno, confirmou que os casos chegaram a Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento e que devem ser averiguados.

O administrador dos cemitérios do município, Anuar Machado dos Santos, revela que foram retiradas fotos, letreiros e crucifixos de 235 sepulturas. “Algumas fotos ficaram para trás, levaram somente a parte de metal. Deve ter acontecido no final de semana”, fala o administrador acrescentando que realizou um Boletim de Ocorrência sobre o caso.

No entanto, um relato de um leitor que não quis se identificar dá conta que os crimes iniciaram há cerca de duas semanas e que nesse fim de semana outras peças foram levadas.

Anuar diz também que em breve a Secretaria do Trabalho, Habitação e Assistência Social (STHAS) deve realizar uma reunião com o poder executivo para averiguar se há alguma medida que pode ser tomada para evitar esse tipo de vandalismo.

“Levaram peças dos meus pais e tios”

Henrique José Klein, voluntário no Cemitério São José de São Rafael em Cruzeiro do Sul, conta que os crimes no local ocorreram na sexta-feira, 03, e na véspera do ano novo. “Roubaram diversas peças. Crucifixos, nomes, letras, datas de nascimento e falecimento. Alguns túmulos ficaram inteiros, mas a maioria foi danificada.”. Klein sustenta ainda que até mesmo peças da família dele foram levadas: “a armação dos túmulos dos meus pais e do meu tio e da minha tia levaram tudo”, observa.

Em conversa com cuidadores que não quiseram se identificar, a suspeita é que os furtos teriam acontecido por causa do tráfico de drogas. “Mais bandido ainda é quem compra essas peças”, declara um. As famílias não sentem apenas a perda do valor dos objetos, mas principalmente, a perda sentimental, já que na maioria dos casos foram perdidas informações como datas e fotografias.

bravo